quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Preparador ou Sobrevivencialista?

Preparador ou Sobrevivencialista?

O movimento de preparadores ou Sobrevivencialistas tem sua origem nos Estados Unidos onde em teoria se encontra a maior parte deste grupo. Que começou a surgir devido a tantas ameaças e eventos catastróficos que ocorreram em nossa historia.
Na época da guerra fria os Governos dos Estados Unidos e da Europa já estimulavam a construção de abrigos nucleares públicos e programas de treinamento para civis inclusive crianças, o medo da guerra fria e a ameaça das bombas atômicas tirava a tranquilidade das pessoas e de seus próprios governos. Na década de 60 desvalorização monetária, aumento inflacionário e o medo constante de um combate nuclear entre estados unidos e  união soviética (a nossa atual Rússia), acompanhada da visível fragilidade do sistema com relação a segurança, suprimentos e entre outros serviços essenciais ao equilíbrio social urbano, pessoas já começavam a sugerir as preparações como meio de superar uma crise, ai por diante surgiram muitos adeptos a preparação, assim como algumas publicações relacionadas ao assunto. Preparações amplamente direcionadas a proteção contra um colapso econômico social. Na década de 70 o movimento ganhou mais ênfase, ainda tendo como principal base à preparação contra crises econômicas, sendo que neste período uma grande inflação e a crise do petróleo feria o ego da economia americana. Ainda nos 70 surgiram conceitos e publicações trazendo a preparação em uma visão mais ampla em que tecnologias antigas, pioneirias e técnicas diversas, assim como a obtenção deste conhecimento era o foco principal, neste conceito se encontram o primeiro uso dos termos Sobrevivencialista ou sobrevivencialismo.
O termo retreater ou (retirante) foi usado por um período e remetia a fuga para o interior, isolamento ou retiro fora da urbanização, mas perdurou por pouco tempo.
Na década de 80 um novo risco de atrito entre estados unidos e união soviética, mudou o rumo dos preparativos em que a maior preocupação não era a economia, mas sim uma guerra nuclear. Também surgia o conceito de uma vida na área mais rural, pois o estilo esta diretamente ligado a autossuficiência, o que é um estilo de vida muito mais consciente.
No final da década de 90 o risco apresentava-se de forma tecnológica com o “Bug do milênio” também chamado de efeito 2000, em que os processadores dos variados equipamentos eletrônicos não conseguiriam processar as novas datas devido ao bug Y2K em suas programações o que em computadores essências nos sistemas de distribuição causariam quedas de energia, escassez na distribuição de alimentos entre outros problemas, porem o risco passou e nada aconteceu.
Do ano 2000 em diante o medo da guerra combinado com a tomada de consciência sobre desastres ambientais e mudanças climáticas, apagões, incerteza econômica, junto à vulnerabilidade da humanidade, transformaram o conceito do sobrevivencialismo. A preparação é fundamental uma vez mais nas preocupações de muitas pessoas, que agora buscam estocar suprimentos, o ganho de habilidades úteis, desenvolver contatos com outras pessoas de visões semelhantes e reunir o máximo de conselhos e informação possível.
Gerald Celente, fundador doTrends Research Institute, Identificou uma tendência que ele chama de "neo-sobrevivencialismo".
Ele definiu o fenômeno da seguinte forma: "Quando você retorna para os últimos e deprimentes dias nos quais nós estávamos em um "survival mode", o último foi o bug do milênio, claro, mas antes, nos anos 1970, o que acontecia é que você só via um elemento sobrevivencialista, aquele cara com um AK-47 indo em direção as montanhas, com munição o suficiente e carne de porco e feijão enlatado, para vencer a tempestade. Isto é bem diferente daquilo: estamos vendo pessoas comuns fazendo movimentos inteligentes e se movendo em direções inteligentes para se prepararem para o pior. (...) sobrevivencialismo em cada caminho possível. Cultivos próprios, auto sustentabilidade, fazendo tanto quanto pode para dar o seu melhor e isso acontece na área urbana, suburbana e rural. E isso também significa tornar-se cada vez mais firmemente comprometidos com seus vizinhos, seu bairro, trabalhando em conjunto e entender que estamos todos juntos nessa e que quando ajudamos uns aos outros, é o melhor caminho. "O espírito comunal inteligente implantado é o valor central do neo-sobrevivencialismo".
Analisando todo esse roteiro histórico é perceptível que no principio a preparação se baseava em um acontecimento ou ameaça de uma crise momentânea e a principal ação era somente o acumulo de previsões. Onde tínhamos os primeiros preparadores ou Preppers. A partir dos anos 70 em que surgiam os primeiros Sobrevivencialistas, além da estocagem de recursos, a aquisição de conhecimentos e habilidades vinha como chave fundamental no conceito de sobrevivência, tendo na década de 80 agregado o conceito de autossuficiência como um estilo de vida, porem ainda preparava-se para uma determinada crise momentânea, o que se seguiu até o inicio dos anos 2000 onde a ideologia do “neo sobrevivencialismo” começou a surgir e agora nos preparamos para vários tipos de acontecimentos ou crises desde as que ocorrem no dia-dia até as mais imprevisíveis. Fazendo estocagem de recursos, sendo o mais autossuficiente possível e adquirindo conhecimentos e habilidades de forma geral.
Preparadores ou Sobrevivencialistas?
Preparadores: Armazenamento e estocagem de recursos. Preparações para grandes crises futuras, porem leva seu cotidiano de forma comum.
Sobrevivencialistas/Preparadores ou “Neo-sobrevivencialistas”: Armazenamento e estocagem de recursos, aquisição de conhecimentos e habilidades em diversas áreas inclusive em autossuficiência. Preparações para grandes crises futuras e pequenas crises e ameaças do cotidiano. Vive de forma sobrevivencialista o presente, se preparando para o futuro.

Isso você escolhe, seja lá como for “estejam preparados”! 

Veja este conteúdo no canal do you tube!

Um comentário:

  1. Muito bom documentário, mas para enriquecer mais que se instrui-se a se fazer o abrigo em si, mencionando que uma parede de alvenaria de ( Um metro e meio bloqueia toda radiação ). Preferência um Bunker subterrâneo com poço artesiano sem água contaminada e comida desidratada e armas brancas, arcos e flechas, balestras, porque armas de fogo logo não haverá mais munição e peças de reposição paea as ditas armas de fogo que serão logo obsoletas.

    ResponderExcluir